MMPT NO LANÇAMENTO DA FRENTE BRASIL POPULAR EM BELO HORIZONTE

GUERRA SOMENTE AOS INIMIGOS

Por Ivann Silva Davi: reportagem originalmente produzida para http://ghennte.blogspot.com.br/

 
Foto: Ivann S. Davi

Em face das atuais conjunturas políticas e econômicas do país, um encontro entre representações de movimentos e organismos sociais foi organizado, em Belo Horizonte, para lançamento de uma frente nacional de enfrentamento. O congresso reuniu cerca de dois mil militantes e lideranças de movimentos sociais no espaço de eventos da Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais. Discursos, debates e intervenções de grupos ligados a diversos partidos compuseram a programação. Lançada no dia 5 de setembro, a Frente Brasil Popular recebeu delegações e personalidades políticas oriundas de vinte e dois estados brasileiros.

Sob o lema “ Em defesa da democracia e por uma nova política econômica”, a conferência nacional popular foi aberta na manhã de sábado. E o mote adotado sintetizava bem a tônica que permearia todos os discursos prolatados no decorrer do estabelecimento da Frente.

 

Foto: Ivann S. Davi

A exemplo do que vem ocorrendo em manifestações nas ruas, Eduardo Cunha (presidente da Câmara dos Deputados) e Joaquim Levy (ministro da Fazenda) “apanharam”, impiedosamente, ao passo que cada orador subia ao púlpito.

“ Fora Cunha! Fora Levy!!, gritavam vozes na plateia, enquanto o palco era ocupado (por exemplo) pela fala de um dos nomes mais respeitados entre todas as divisões politico-esquerdistas do Brasil.  “ Nosso adversário maior é o capitalismo, é o Tesouro internacional”, sugeriu o jornalista, professor e ex-presidente de partido Roberto Amaral Vieira.

Também atacando o poderio monetário das elites econômicas, e definindo-o como causa primária da corrupção e consequentes desníveis sociais, o ex-governador gaúcho, Tarso Genro, afirmou que “os Estados brasileiros foram capturados, e acham-se prisioneiros do capital estrangeiro”. 

 
Foto: Ivann S. Davi

Outros nomes de peso como Roberto Requião, Samuel Pinheiro Guimarães e Lindbergh Farias tomaram parte nas rodadas de debates. E o alinhamento nos discursos deixava claro o esforço conjunto no sentido de proporcionar robustez política à Frente de lutas sendo conflagrada naquele momento.

Ao final da tarde, já quase concluído o ato de lançamento, a ativista Silvia de Mendonça sacudiu toda a militância da Frente Popular ao falar das injustiças sociais e econômicas praticadas contra os povos negros. “ Jamais iremos implantar ou inflar qualquer guerra que não seja contra os nossos inimigos”, disse a carioca.

Quando já deixava as imediações da Assembleia mineira, Tarso Genro concedeu alguns minutos ao blog GHENNTE, e, dentre outras coisas, respondeu sobre sua afirmação, feita horas antes, durante palestra ministrada para algumas delegações:

Ocorre que, de tempos em tempos, os mecanismos globais do capital se reorganizam para continuar seu processo  de acumulação financeira sem trabalho. Assim, os Estados são controlados por essa força invencível. E, nesse sentido,  as forças normativas das constituições de muitos países perderam muitos dos seus efeitos. Tanto é verdade, que todos os governos são praticamente obrigados a desenvolverem programas de acordo com essas necessidades de reprodução e acumulação de riquezas sem esforços, sem trabalho”, explicou.

Foto: Ivann S. Davi

Segundo o ex-governador, isso é um tipo de extorsão que o grande capital financeiro pratica contra estados e países endividados. “ É o que ocorreu, por exemplo, na Espanha, na Grécia, e agora está ocorrendo no Brasil. De modo que esses países foram capturados e feitos prisioneiros”, afirma.

A exemplo de outras lideranças regionais, integrantes da Frente Brasil Popular, o líder político do Rio Grande do Sul também afirmou defender a taxação tributária sobre as grandes fortunas. Conforme sua fala para GENNTE, isso seria uma forma eficiente de combater a corrupção e democratizar as riquezas produzidas pelas bases sociais, os trabalhadores brasileiros.

 

Por: Coordenação de Comunicação.